segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Consumismo: necessidade ou felicidade?

"Está triste? Faça compras!", "Brigou com a namorada? Compre sapatos. Elas adoram!" "O filhão tirou 10 no teste? Ele merece o novo lançamento da Nike, não é mesmo?."
É assim que vivemos atualmente. Nossos sentimentos passaram a ser facilmente substituídos por prazeres momentâneos. Substituímos nossas fraquezas, tristezas, derrotas e frustações por bens materiais que nunca nos satisfazem, mas geram ao outro uma vontade enorme de estar ao nosso lado. Criamos datas comemorativas e damos presentes. A economia do país alavanca, mas esquecemo-nos das frases gratuitas: "Eu te amo" e "Você é especial para mim".
Equivocadamente, misturamos o ter com o ser. Passamos a entender que a felicidade é o consumir, estar na moda, possuir carros luxuosos e ter em mãos os últimos avanços tecnológicos. Vivemos então em dias em que as pessoas nos amam apenas até o nosso último conto de rés, como afirma o nosso famoso egocêntrico Brás Cubas, personagem machadiano. 
Contudo, precisamos entender que o frenético consumismo nos geram apenas prazeres momentâneos, intensificação das disparidades sociais e efêmeras alegrias.
É claro e notório que o consumismo desenfreado gera ótimos resultados à economia do país. De forma alguma os beneficiados barrariam tal vantagem. Por outro lado, conceitos como consumo sustentável e economia verde foram criados para aliviar a consciência dos consumidores e minimizar timidamente os problemas gerados. O consumismo gera danos individuais a quem por ele é escravizado. Seu prazer momentâneo, com o passar do tempo, gera o retorno das angústias e aflições; e qcompanhado destas surgem também as dívidas e os abalos psicológicos.
É necessário entendermos que o consumo é sim necessário. O desnecessário e maléfico ao indivíduo é a necessidade insaciável de ser como os outros, de possuir como os outros e viver como os outros. Os contrastes entre os que disperdiçam alimentos e roupas e aqueles que vivem com menos de um dólar diário virou algo bem comum. O raio gourmetizador encareceu os produtos e fez das varandas dos novos apartamentos que surgem freneticamente nas grandes cidades uma vitrine de uma população que quer exibir o que tem e consome, e que de suas corbeturas não avistam mais as disparidades da cidade. Timidamente,  aceitamos a dar esmolas nos semáforos enquanto vamos ao shopping dar uma voltinha, mas sair com sacolas e sacolas recheadas de "alegria".
Mudar tal realidade vai muito além de adotarmos uma vida alternativa ou apelar para o "fugere urbem" dos árcades. Iniciarmos talvez uma mentalidade que não opina de acordo com as leis de mercado seria uma boa alternativa. 
Bem como nossas roupas, nossos carros e nossos sapatos, nossa vida, nossos amigos e nossa família não duram para sempre. Tratá-los como liquidação não é apenas fruto do egocentrismo das sociedades modernas é a continuidade do espírito de escambo a qual desde sempre fomos expostos. 

14 comentários:

  1. Excelente. Muito boa esta matéria.

    ResponderExcluir
  2. Parabens linda .
    Bem assim o consumismo, nos consome sem perceber.
    Nos faz falir e viver sim uma vida terrivel.
    O equilibrio e a melhor forma.
    Falo por morar em um lugar totalmente consumista.

    ResponderExcluir
  3. Parabens linda .
    Bem assim o consumismo, nos consome sem perceber.
    Nos faz falir e viver sim uma vida terrivel.
    O equilibrio e a melhor forma.
    Falo por morar em um lugar totalmente consumista.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Samara, maravilhoso texto! Muito orgulhosa de você,

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    As pessoas recebem enxurradas de publicidade que passam a ideia mentirosa de que comprar leva-as a serem realizadas como gente. É praticamente impossível fugir dessas propagandas, pois elas são veiculadas via televisão, rádio, internet, revistas e jornais impressos, outdoors... E existe tanta gente se deixando ludibriar por esta mensagem!

    As perguntas básicas que todo consumidor deveria fazer antes de comprar, são:

    • preciso de 50 pares de sapato?

    • é necessário ter o último modelo de smartphone?

    • consigo usar cinco automóveis ao mesmo tempo?

    E.A.G.

    http:/belverede.blogspot.com.br
    www.ubeblogs.net

    ResponderExcluir
  7. Oi, Eliseu!! Concordo com você!! São perguntas essenciais que nem sempre nos fazemos!!
    Obrigada pelo seu comentário!!

    ResponderExcluir
  8. A principal mensagem da tv é um compre,compre,compre... sem fim

    ResponderExcluir
  9. Olá Samara,
    Bem interessante o seu pensamento com a realidade que estamos vivendo hoje. Fiquei admirada de ler tal dissertação de uma menina ainda. Mas fique sabendo que tudo que escreveu é real e precisamos mesmo chamar atenção das pessoas para refletir no que estamos virando ou vivendo. Nós cristãos temos que ter muito cuidado para não cair nessa armadilha que o mundo está nos pregando a cada dia. Vigia e Orai todo os dias. Deus te abençõe. Bjs Ana / amiga da (Clycia e Claudio)

    ResponderExcluir